Vasco avalia reestruturar o departamento de futebol, diz jornalista

O desencanto com o trabalho de Marcelo Cabo, antes restrito aos torcedores do Vascio em função dos maus resultados, contagiou o clube como um todo.

O treinador tem 55% de aproveitamento nos pontos disputados nestes três meses em São Januário, e não consegue fazer o time evoluir.

Isso e vai minando a confiança de quem administra a instituição com a obrigação de reconduzi-la à Série A do futebol brasileiro.

O risco de permanecer na Série B em 2022 é mais alto a cada jogo e medidas já estão sendo avaliadas para minimiza-lo.

É, de fato, o que se espera da dupla Jorge Salgado e Alexandre Pássaro, os responsáveis pelo futebol vascaíno.

Existe, sim, a possibilidade de o treinador ser demitido em caso de tropeço diante do Brusque, na noite deste domingo (27), em São Januário.

A hipótese é real, e o nome de Luis Carlos Cirne, o gaúcho Lisca, é o mais cotado nos bastidores para substitui-lo.

Mas é uma predileção sem convicção – como ocorre em vários clubes.

Geralmente, olham para o currículo do profissional e esperam que ele seja capaz de repetir no clube X o que fez no clube Z.

Quando na verdade a escolha deveria ser pensada à partir da complexidade da missão.

Passando, é claro, pelo perfil do elenco, pela capacidade de gestão do executivo do futebol e pelo fôlego do clube para investir em reforços.

Lisca é bom técnico, mas terá os mesmos problemas de Cabo.

Simplesmente porque tem sido assim desde que o ex-presidente Eurico Miranda e o esperto Carlos Leite, parceiro do clube (sic) desfizeram o time que o então executivo Anderson Barros e o técnico Zé Ricardo conseguiram classificar à Libertadores de 2018.

À partir daí, nenhum outro fez milagre.

Jorginho, Valentim, Vanderlei Abel, Ramon, Sá Pinto… todos sucumbiram à precariedade técnica do elenco somada à falta de estrutura do departamento..

Por isso, o clube precisa avaliar de fato até onde vai a responsabilidade do treinador na má campanha na Série B.

Pássaro ainda não tinha estofo para assumir a gestão do futebol do Vasco neste momento sem ter a seu lado alguém com mais vivência e conhecimento técnico.

O modelo de jogo de Cabo, com um 4-3-3 indolente e ineficaz, não é o mais indicado e o próprio torcedor clama para que o técnico adote sistema mais cauteloso.

Mas quem o convencerá disso?

Quem, nesta estrutura, será capaz de atestar que a preparação física do time está sendo bem feita?

Pois é isso que, ao parece, já foi identificado.

Encontrar um nome que faça diagnósticos precisos na estrutura do futebol profissional é hoje mais importante do que condenar o trabalho do treinador…

Fonte: Blog Futebol, Coisa & Tal – Extra Online

Autor:gctofjv1970

1 thought on “Vasco avalia reestruturar o departamento de futebol, diz jornalista

  1. A que ponto chegou o Gigante VASCO DA GAMA!

    Um Vasco todo engrouvinhado, uma bagunça total, sem presidente que tenha compromisso apenas com a instituição…
    Com todo respeito ao pessoal LGBT, tentar empurrur goela abaixo uma camisa que não tem nada a ver com as cores da instituição centenária Vasco da Gama é de um desrespeito sem precedente na história do clube.
    Com a palavra o sr. presidente Jorge Salgado, para pelo menos tentar explicar a inexplicável arbitrariedade dessa diretoria que, diga-se de passagem, ainda não fez absolutamente nada que justificasse essa eleição…
    Nosso clube tomado por esses incautos e irresponsáveis. E o Vasco caminhando a passos largos para a série C.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *